sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Dilador vai ser deputado em janeiro!

Em janeiro Dilador poderá assumir uma cadeira de deputado!
Como deputado, Dilador já mantinha excelentes relações com Roquinho que é do PTB, o partido de Luis Fernando da Lomy. O PTB também apoia o governador Alckmin. 

Em janeiro próximo, Dilador Borges tem 99% de probabilidades em assumir uma cadeira definitiva como deputado estadual na Assembléia Legislativa de São Paulo. Isto porque, quatro deputados estaduais do PSDB, estão disputando as eleições para prefeito, em Embú, São José dos Campos, São Bernardo dos Campos e Jundiaí, ou seja, é quase impossível que algum desses deputados não se eleja prefeito, abrindo assim a vaga para Dilador que hoje é primeiro suplente dos tucanos. Para Araçatuba e região, este será um fato relevante pois Dilador que prega em sua campanha para prefeito ter conseguido mais de 100 ambulâncias em 13 meses quando lá esteve como deputado; conseguiu centenas de casas, milhões para a saúde; certamente, com o excelente relacionamento que ele tem com o governador Alckmin, com os senadores José Aníbal, Aloysio Ferreira Filho (ambos do PSDB), toda a bancada estadual e federal, isto para Araçatuba será um motivo de júbilo pois estando à frente da prefeitura de Araçatuba, o empresário Luis Fernando da Lomy, vai se empenhar para manter com o novo deputado estadual e representante de Araçatuba e região, Dilador Borges, a melhor das relações institucionais. Diferentemente de Cido Sério (PT), Luis Fernando da Lomy receberá Dilador com tapete vermelho e todas as honras e fidalguias em nome da boa política que Araçatuba e seu povo merecem.

Desde que se interessou por ingressar na vida política, Luis Fernando da Lomy se empenhou em conversar, dialogar com todas as correntes, todos os partidos políticos na cidade. Ele sempre atribuiu o fracasso no desenvolvimento de Araçatuba frente às demais cidades da região por causa das rusgas, das briguinhas paroquiais entre os políticos da cidade. Araçatuba há tempos não elege um deputado estadual ou federal graças às desavenças entre os partidos, além da invasão dos pára-quedistas. Durante esse curto hiato em que Dilador ocupou a vaga de Bruno Covas, a cidade poderia ter conseguido muita coisa, não fosse essa briga entre Cido Sério (PT) e Dilador Borges (PSDB) que foi exposto à uma situação vexatória quando o prefeito Cido Sério não o recebeu em gabinete. Uma vergonha que certamente causou enormes danos à sociedade araçatubense. Luis Fernando da Lomy é um “gentleman”  e saberá relacionar-se com Dilador Borges dentro daquilo que a boa educação exige e isso certamente será benéfico para a cidade.

O PTB de Luis Fernando da Lomy, poderá eleger vários prefeitos da região além de Araçatuba, como Birigui. O PSDB de Dilador Borges também tem boas chances de eleger vários prefeitos na região, especialmente em Nova Luzitânia, onde Laerte Rocha que é coordenador regional do partido, tem grandes chances. Isso certamente fortalecerá as alianças já existentes entre PSDB, PTB, DEM  e PSB em nível de estado, diante das eleições em 2018. Assim, é de fundamental importância para Geraldo Alckmin, candidatíssimo a presidente da República, que este grupo mantenha-se unido. Sob esta ótica, para o povo de Araçatuba, neste momento, é mais interessante, mais importante que Luis Fernando da Lomy seja eleito prefeito agora no dia 2, dando assim, oportunidade para que Dilador Borges se torne deputado a partir de janeiro de 2017. Com certeza, os próximos dois anos serão frutíferos e muitos projetos de interesse do povo poderão se tornarem realidade se essas forças políticas estiverem unidas e propugnando acima de tudo pelo desenvolvimento da cidade, acima das diferenças político-partidárias.

Toda Araçatuba sabe, que vários projetos e obras foram prejudicados, atrasados e sequer realizados por causa dessa rixa entre Cido Sério e Dilador Borges. Um clima de ciúme entre os dois, trouxe muitos aborrecimentos ao povo de Araçatuba. Está aí as obras da rodovia Elyeser Montenegro que não acabam nunca. A situação de abandono da antiga cadeia pública, a falta de terreno para uma escola no ETEMP e outras situações semelhantes. Tudo isso porque o deputado não falava com o prefeito. Num eventual governo de Luis Fernando da Lomy, todos os esforços serão feitos no sentido de se aliar, buscar a união de todas as forças políticas. Terminado o pleito eleitoral, todos devem descer de seus palanques e trabalharem juntos em prol da cidade. Luis Fernando da Lomy, como grande construtor que é, já conhece os caminhos de S. Paulo e Brasília para abrir portas atrás de recursos para os projetos em prol do desenvolvimento de Araçatuba. Certamente, não deixará de bater à porta do futuro deputado por Araçatuba, Dilador Borges, que como bom mineiro que é, não fará como Cido Sério e servirá um cafezinho ao prefeito eleito pelo povo de Araçatuba.   


domingo, 18 de setembro de 2016

Cuidado com promessas impossíveis!

Promessas políticas: Como um "sonho numa noite de Verão"


Os tais programas de governo, são parte obrigatória na campanha de candidatos a cargos no executivo. No fundo não passa de peças fictícias feitas apenas satisfazer, cumprir o dispositivo legal, mas que na realidade, na prática, mostram promessas irrealizáveis, quase impossíveis de serem cumpridas, distantes entre a expectativa e a realidade. Claro que todo candidato diz que “ouviu” técnicos, especialistas, “doutores” nesta ou naquela área na busca da solução frente a determinados problemas de uma comunidade ou da cidade em si. Na verdade, reuniu uma meia dúzia de “assessores” próximos, muitos dos quais copiaram do “Dr. Google” modelos e idéias para a redação do programa de governo. Aí, jogam no papel, o desejo, a expectativa de que, caso eleito, fará isso e mais aquilo, sem, é claro, de colocar uma boa pitada de exageros, propostas nebulosas, muitas das quais não conseguem esconder a vontade de agradar o eleitor fazendo aquele discurso bonito para  a platéia ouvir e sentir-se satisfeita. Praticamente, a maioria dos candidatos em geral ignoram a realidade nua e crua da situação financeira de uma prefeitura. Por razões óbvias, técnicas, o detentor do poder, no momento vai  esconder, omitir  e não fornecer esses dados importantes para o feito de um verdadeiro e real plano de governo, principalmente se o candidato for oposicionista.

Analisando o plano de governo do candidato tucano à prefeitura de Araçatuba, Dilador Borges (PSDB), encontramos idéias, propostas excelentes, boas, exeqüíveis, mas há alguns tópicos, alguns pontos que merecem uma reflexão e parece apontar que quem elaborou o tal plano está vivendo num outro mundo, noutra dimensão, não tem o exato conhecimento da realidade fiscal do município que pretendem administrar. Vejamos A administração municipal de Araçatuba, dá sinais evidentes de uma total agonia financeira, trabalha sem dinheiro, com uma enorme dificuldade de atender várias áreas prementes, urgentes como o fornecimento de medicamentos, a falta de determinados profissionais médicos, não consegue terminar algumas obras iniciadas há anos, outras, acabadas mas sem condições de serem inauguradas por falta de recursos para implantar os móveis adequados, lotar de pessoal e médicos, enfermeiros e funcionários afins. É notória a dificuldade financeira que o prefeito atual vive. Sequer deu um centavo de reajuste ao funcionalismo municipal.

Por conta de obrigações estabelecidas em lei, a  TUA se arrasta pelas ruas da cidade. Pode estar operando com deficit.  Andando pela cidade deparamos nos pontos de ônibus com dezenas e dezenas de idosos, aposentados, grávidas, cadeirantes que normalmente não pagam a tarifa já cara para circular. Em determinados momentos, o ônibus trafega com dezenas de pessoas que estão andando de graça! Aí perguntamos: Como a empresa pode prestar um excelente serviço se arrecada pouco? A empresa vai instalar uma série de serviços para ficar transportando  um mundo de gente de graça? E vem o candidato Dilador Borges, arrastado pelos sonhos inebriantes e inexeqüíveis de sua vice, a alma bondosa oferecer  um excelente transporte público, equipado com ar condicionado, wi-fi, ponto cobertos, tomadas para carregar o celular, wi-fi, bancos, etc. O povo merece isso? Sim, merece! Mas com uma tarifa já cara, pouca demanda, um mundo de gente a ser transportado graciosamente, isso vai acontecer? É um sonho! Nenhuma empresa  vai se interessar na eventual licitação a ser aberta e a TUA  continuará seu calvário eterno.

Prometer colocar ar condicionado EM TODAS as salas de aulas! São 800 ao todo. Muito bem. Instalam e depois quem pagará a enorme conta de energia elétrica que disso sobrevirá? Prometer que NENHUM estudante ficará sem escola próxima de sua casa. Faça-nos o favor...Prometer 100% de vagas em creches. Existem um déficit de 500 vagas. Todo dia nascem dezenas de novas crianças. E o zoológico? Nem vamos comentar mais que isso já assustou até o último elefante que escapou e foi-se embora! Menos tucanos...Menos... Se as coisas fossem assim tão fáceis o atual prefeito ou outro qualquer resolveria. O centro cultural ferroviário está abandonado há quase 10 anos. Nem a promessa da Havan se realizou. Reforma administrativa? É mexer num vespeiro sem fim! Tudo isso gera aumento de despesas, quem vai pagar?! E mudar a rodoviária? Perguntem ao povo se isso é prioritário. É tudo muito bonitinho, o discurso é ótimo, mostrar gráficos na TV é excelente, mas na hora que abrirem o cofre cheio de teia de aranha, aí a realidade nua e crua vai surgir. A cobrança virá e junto a decepção daqueles que se sentirão enganados eventualmente.   

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Mataram o elefante!

Depois de passarinhos, mataram o elefante no zoológico!

Temendo ser despejado por Dilador e Edna Flor, o último elefante vai embora!


Até pouco tempo, tínhamos  em Brasília, uma PresidentA que dizia ser a “mulher sapiens”, que “saudava a mandioca” e “ensacava vento”. Ela também queria “dialogar” com o Estado Islâmico na busca da paz mundial. Dilma Rousseff era o prato cheio dos chargistas, dos humoristas e lembrava muito aquela personagem da Globo, a Ofélia, que “só abria a boca quando tinha certeza”! Impinchada, Dilma foi substituída por um homem culto, Michel Temer, polido, jurista, constitucionalista que fala fluentemente a língua portuguesa. Araçatuba não está longe dessa situação. O candidato tucano à prefeito, Dilador Borges, tem uma enorme dificuldade com as palavras, se atrapalha diante de um microfone, perde o raciocínio, a lógica e não diz coisa com coisa. Se, pressionado por perguntas de jornalistas tarimbados, fica nervoso e perde o fio da meada, se atrapalha com os pensamentos em questão de segundos onde precisa refletir e proferir uma idéia, exteriorizar um pensamento, acaba metendo os pés pelas mãos jogando por terra o discurso pronto, preparado e orientado por sua assessoria. A cidade ainda se recorda de um famoso debate na TV durante a eleição de 2012, onde, propositalmente, o ex-prefeito Sidney Cinti, recentemente falecido, cutucava Dilador, para tirá-lo do sério, ajudando assim o outro Sério candidato.

Acuado por Cinti, Dilador se via nervoso, perdia o rumo do raciocínio e ficava em intermináveis segundos, tentando encontrar as respostas e se perdia nos “aquele....aquela....uuuuuu.....ooooo....aaaaa...” e completava dizendo – “depois eu lembro, eu digo..” Num debate eleitoral o momento é aquele. Não existe o depois. Tem que responder na hora, na cara! O resultado das urnas mostrou o quanto o candidato tucano fora prejudicado pelas armadilhas preparadas pelos adversários, as cascas-de-bananas atiradas em seu caminho. Em 2013 logo após assumir uma cadeira na Assembléia Legislativa de S. Paulo, como suplente de deputado, Dilador, em seu discurso exordial, simplesmente esqueceu de citar Araçatuba, onde vive e tem sua base eleitoral. Discorreu sobre sua vida humilde de matuto no interior das Minas Gerais, a vinda para S. J. do Rio Preto, etc. Nada sobre Araçatuba. Algum tempo depois, ao comparecer num jantar muito rico onde o convite segundo se dizia na época custava R$ 400,00 cuja renda era para obras assistenciais do governo, Dilador compareceu com sua esposa. Na porta topou com aqueles malucos do “Pânico na TV”. Era tudo que não podia acontecer.

Todo mundo sabe que aquele pessoal do “Pânico” adora humilhar, escrachar com artistas, com celebridades. Eles editam as matérias e mostram na TV aquilo que lhes convém. Adoram tirar o sarro, debochar. Dilador Borges empolgado, agora deputado, encantou-se com o microfone. Vivíamos naqueles dias, intensa greve de professores. Dilador não se conteve e criticou duramente os docentes grevistas. Foi um enorme erro político. Ele deveria apenas acenar e entrar no tal jantar. Foi um enorme  desgaste com a classe dos professores. Em março deste ano, esteve Dilador na TV Record em S. J. do Rio Preto concedendo uma longa entrevista num programa apresentado aos sábados à tarde. Em dois momentos, falando sobre as virtudes tucanas, o plano de estabilidade econômica de FHC, usou o termo “Plano Cruzado” (Na verdade deveria ter dito Plano Real, o Cruzado se deu no governo Sarney). Isso demonstra uma dificuldade de raciocinar sob pressão e emitir uma opinião de forma correta não deixando dúvidas, dúbias interpretações.


Agora, neste presente pleito eleitoral, Dilador Borges já virou alvo das gozações e chacotas diante da opinião pública pela confusa e temerária forma de se expressar. No debate promovido pela “Folha da Região”, ao se referir ao zoológico disse: “Eu matei muitos passarinhos ali...” Agora, ao dar entrevista para a Globo, ainda sobre o zoológico e seu desejo de fechar o mesmo, tentou lembrar da morte do hipopótamo “Miltão” e disse: “....morreu lá o...elefante...”! Imediatamente a frase caiu nas redes sociais com “memes” humorísticos debochando da frase. Jamais existiu um elefante no zoológico de Araçatuba e o candidato se confundiu em não saber diferenciar um hipopótamo de um elefante. Em seguida também confundiu o nome do cemitério “Recanto de Paz” como “Jardim da Paz”, que não existe na cidade. Como a internet não perdoa, centenas de postagens e comentários com gozações sobre a morte  do tal elefante. Tudo isso resumidamente mostra um candidato despreparado para o debate de idéias, diante de situações de nervosismo se confunde e diz frases desconexas, pensamentos desencontrados, descontrolados. 

domingo, 11 de setembro de 2016

Vereadores- Sem chance para novatos!

Vereadores- Sem chance para novatos!

Pelo quadro acima, as coligações formam um "saco de gatos" e vai favorecer os candidatos já conhecidos e que exercem mandatos atualmente. 

Faltando aí cerca de uns 21 dias para a eleição, muitos candidatos a vereador nem tiveram seus registros deferidos pela Justiça Eleitoral. A campanha para uma vaga na Câmara Municipal de Araçatuba não está nada fácil. A legislação eleitoral engessou a campanha em si, proibiu quase tudo e nem mais aparecem no horário de rádio e TV, os concorrentes. A luta é no verdadeiro corpo-a-corpo, casa por casa, fazendo reuniões organizadas por amigos e simpatizantes. São ao todo 189 candidatos até o momento. O TRE indeferiu 8 candidaturas e 4 candidatos renunciaram. O PT foi o mais atingido tendo 6 candidatos impedidos de continuarem na campanha. São 15 cadeiras na disputa o que dá 12,6 candidatos por vaga. Mas, defendemos a idéia que 5 dos atuais vereadores se reelegem (Cido Saraiva, Claudio Henrique, Tieza, Arlindo e Papinha), restando aí um meio de campo embolado onde se destaca o Dr. Jaime, Batata, Beatriz, Carlinhos. Aí são 9 cadeiras ocupadas. Restam 6 que serão disputadas por ex-vereadores ou figuras mais conhecidas.  Nesse grupo podemos incluir Dunga, Olair Bosco, Platibanda , Profª. Marly, Cabo Claudino e Sancler que disputarão ainda com novatos, figuras conhecidas na cidade como Ícaro Morales, Luís Boatto, Ernesto Lemos, Zanata, Dr. Salatino, Dr. Alceu, Dr. Jorge Maluly, João Moreira, Clarice Andorfato e outros.

As coligações (ver foto) são um complicador a mais. São 28 partidos na campanha, um exagero enorme de um festival de siglas que só servem para tumultuar, confundir o eleitor. A maioria desses partidos nanicos, não conseguirão eleger nenhum candidato, como PRB, PMB, PRP, PSD, PT, PRTB, PPL, PP, PSL, PCdoB, PTdoB, PHS, PEN, PTC, PTN, PDT. Alguém acha que esses partidos deveriam existir? É um absurdo uma situação dessa! Como o candidato a prefeito poderá se entender com esse mundo de partido?! Todo  mundo sabe que a maioria desses partidos foram criados apenas para servir de moeda de troca de seus representantes. São partidos de uma só pessoa, partidos de uma família. Os tais líderes desses partidos no fundo usam a sigla para negociarem o tempo de rádio e TV com os eventuais candidatos aos cargos majoritários. Pior servem como moeda de troca de apoio por cargos comissionados na administração pública, um dos males, um câncer da corrupção neste país. Esta é a verdade pura e cristalina. Esse emaranhado de siglas inúteis é a fonte da corrupção, sustenta, alimenta o incestuoso jogo de poder no Brasil.

Tem uns candidatos que não se elegeriam síndicos de condomínio. Entram nesses partidos em troca de algum benefício pessoal. Só criam problemas e desorganizam a vida partidária e política. Por que essas pessoas não entram nos partidos maiores e mais tradicionais?! A realidade é uma só muita gente prega, defende a renovação até total da câmara, mas é algo impossível de acontecer pois o modelo hoje adotado para as campanhas eleitorais acaba favorecendo aqueles políticos mais conhecidos, que estão todos os dias aparecendo na mídia, estão sempre em permanente contato com o povo. Daí, entendemos que a propalada renovação em Araçatuba será pequena. Os candidatos novatos, desconhecidos concorrem numa posição desfavorável com aqueles já conhecidos e exercendo o mandato. O tempo muito curto da campanha e a falta de espaço para expor suas idéias e propostas, dificultam somado ao fato desse mundo de partidos nanicos, atrapalharem, criarem confusão na cabeça do eleitor. ( Esta é minha opinião pessoal. Ninguém está obrigado a concordar comigo. Todos são livres para discordarem e se manifestarem. Esta é minha visão do momento. Não sou e nem tenho pretensão de ser dono da verdade. A realidade será conhecida após a abertura das urnas). 


quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Debate - Luis Fernando, a simpatia em pessoa!

No debate da FOLHA,  Luis Fernando espalhou simpatia!
No debate da FOLHA DA REGIÃO,  Luis Fernando da Lomy, literalmente foi o centro das atenções e espalhou simpatia! (Foto: Daysi Maria).

O debate promovido pelo jornal “Folha da Região” nesta semana, serviu como um verdadeiro divisor de águas. Delimitou terreno e apontou aos eleitores o candidato com mais condições de governar esta cidade. Sem nunca antes ter postulado um cargo político, o empresário Luis Fernando da Lomy, do PTB-14, em que pese um nervosismo inicial, o que é natural para alguém sem muita experiência diante das câmeras de TV, a pressão do ambiente, conseguiu dar seu recado. Falando corretamente a língua portuguesa, apontou saídas e propostas para as questões levantadas durante o embate com os outros dois candidatos. Apesar de que, devido ao tempo curto, muitos temas interessantes deixaram de serem abordados no evento. Transporte público, o caos no trânsito, a difícil relação entre a TUA  e usuários, ficaram de lado. Planos de carreira, reajustes de servidores municipais também não foram lembrados. Durante todo o debate, Luis Fernando da Lomy manteve-se sempre com um sorriso no rosto e procurou ser afável, elegante, educado e acima de tudo humilde, pregando sempre uma de suas maiores bandeiras a união da classe política de Araçatuba. Para ele, a cidade tem perdido muito em termos de investimentos principalmente por causa desse carrancismo, esse verdadeiro ódio entre os atores políticos.

Lembrou Luis Fernando que nos últimos 10 anos, o governo do estado de São Paulo não construiu uma só casa em Araçatuba devido principalmente às desavenças e desentendimentos políticos entre petistas e tucanos. De um lado o PT que governa Araçatuba desde 2009 e de outro o tucanos que governam o estado, não se bicam e isso traz enormes prejuízos para a cidade. Temas como o programa de regularização fundiária “Cidade Legal”, a construção de casas pela CDHU, a construção de escolas, o atraso nas obras da rodovia Elieser Montenegro Magalhães, o prédio da antiga cadeia pública sofrem solução de continuidade justamente por causa de interesses mesquinhos e a total falta de diálogo entre o município e o estado. Luis Fernando quer acabar com isso. Ele entende que passada a eleição, ganhe quem ganhar, a cidade precisa de união, precisa de diálogo para não continuar perdendo espaço para outras cidades e continuar sem representatividade não só na Assembléia Legislativa como no Congresso Nacional.

Para o candidato petebista, os partidos políticos devem abrir mão de seus interesses menores e juntos formarem um grupo forte em prol de Araçatuba. Se referindo ao fato, Luis Fernando disse: “...prefeito não fala com deputado e deputado não fala com prefeito...Com isso, quem perde é a cidade...” fazendo alusão aos desencontros havidos entre o prefeito Cido Sério (PT) e o então deputado Dilador Borges (PSDB) que sequer foi recebido em gabinete pelo prefeito aumentando assim esse fosso já abissal entre as correntes políticas. Luis Fernando da Lomy, ao contrário, prega a união das forças políticas e afirma que caso seja eleito, irá procurar e conversar com todas as correntes políticas da cidade sem fazer distinção a qualquer um segmento partidário. Disse que quer ouvir a opinião e proposta de todos. “Passado o período eleitoral,  acima de tudo está a cidade”, opinou Luis Fernando da Lomy. Ao se referir ao seu oponente, Dilador Borges, que é dono de uma grande empresa que comercializa cimento e cal, o candidato do PTB disse: “Creio que sou  o maior comprador da “BASICAL” Dilador...E depois das eleições, ganhando ou perdendo vou continuar comprando o seu cimento...”.  


sábado, 3 de setembro de 2016

Vereadores: O nível continua sofrível!

Vereadores: O nível dos candidatos continua sofrível!
A propaganda política começou e, na maioria dos casos ao invés de esclarecer o eleitor, acaba confundindo este e dificultando no momento de se escolher por este ou aquele candidato. Está difícil. Talvez provocado pela inércia, desinteresse, descaso dos eleitores em função da mesmice, da grave situação política do país, parece que o nível intelectual, cultural dos 201 postulantes a vereança em Araçatuba, fica à cada eleição pior. Com raras exceções, o eleitor terá uma imensa dificuldade em encontrar um candidato que não esteja enquadrado verdadeiramente como um analfabeto funcional, um ignorante das leis, um omisso daquilo que deveria ter conhecimento em relação àquilo que se propõe fazer. Está difícil aguentar essa verdadeira tortura em assistir os poucos segundos em que o candidato tem para dizer algo. É um verdadeiro desastre, um assassinato do vernáculo, uma estupidez latente, uma total ignorância daquilo a que se propõe. Muitos parecem que foram lançados de um avião e não têm nenhuma noção do que está acontecendo. Começa com os nomes, os malditos apelidos que muitos candidatos usam achando que isso o ajudará na busca do votos. A legislação eleitoral deveria ser mais rigorosa sobre os nomes a serem usados. A impressão é de ser uma lista de procurados pela polícia.

A Constituição Federal no seu artigo 29, elenca o papel dos Municípios e no seguinte, o 30, a função clara, específica de um vereador. Isso deveria ser obrigação dos partidos políticos em orientar seus filiados que manifestem o desejo de concorrerem nas eleições. Lamentavelmente, os candidatos em geral procuram nutrir junto aos eleitores a apelação corrente de atribuições popularmente conhecidas e que na verdade não dizem respeito à função daquele que pretende ser um representante do povo. Em Araçatuba, tem candidato afirmando em sua propaganda que “sua prioridade será a geração de empregos”.  Será que este futuro parlamentar vai abrir uma grandiosa empresa que gerará uns 5 mil novos empregos?! Fico imaginando de que forma este ignorante ao se eleger vereador vai conseguir gerar empregos. Pelo menos, ele dará o primeiro passo vai gerar o seu próprio e de uns assessores comissionados. É um bom início! Tem candidato apresentando um “programa de governo”. Desde quando vereador governa?! Não está entre as atribuições de um edil, propor nada que implique em despesas.

Outros se anunciam como “salvadores do mundo”, com idéias tão bizarras quanto suas próprias pretensões políticas. Tem candidato anunciando que caso eleito vai acabar com  a Zona Azul, fechar a empresa Arapark. Outros anunciam que pretendem fechar a SAMAR  retornando à situação anterior, o antigo DAEA. E assim por aí vai. Esses pseudos-políticos esquecem que gostando ou não gostando da SAMAR ou da Zona Azul, não há nada que eles ou qualquer outra pessoa pode fazer. Ignoram a lei, ignoram que tais empresas firmaram um longo contrato de quase um século e que esse contrato deve ser respeitado. Não adianta espernear, iludir, enganar o eleitor com promessas que depois não cumprirão. E o eleitor precisa ficar atento às essas promessas fantasiosas, mentirosas e levianas. Sobre a SAMAR ou a Zona Azul ninguém, nem mesmo o prefeito eleito ou um simples vereador poderá fazer nada para alterar esta situação. Quem prometer que irá fazer isso  ou aquilo estará mentindo, ludibriando, enganando o eleitor em sua boa fé.

Tem outro tipo de candidato que acha que vai arrumar votos sentado eternamente na frente de um computador, acessando redes sociais, etc. Fica postando fotos, criticas contra isso e mais aquilo no afã de convencer o eleitor de que ele é melhor que os outros. Ledo engano. Outros candidatos contam o “espólio” da vereadora Edna Flor que não é candidata. Acham que esta vereadora tem força para empurrar seus eleitores costumeiros para este ou aquele candidato. Acham que aqui é o Nordeste onde o povo ainda vota por cabresto, que será “induzido” a votar num determinado candidato pelo simples desejo de Edna Flor. Vai ser uma decepção! Enfim, a propalada renovação está difícil, o nível intelectual, cultural  da maioria dos candidatos faz dó. Uma pobreza lamentável de nomes fortes, nomes que poderiam enriquecer a futura legislatura. Infelizmente vamos ter que conviver com a mesmice de sempre, os discursos horrorosos, as mesmas propostas de hoje. Não se enxerga muita diferença, claro, com raríssimas exceções, o eleitor acaba não tendo muito o que escolher. Lamentável.  

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Ar condicionado em TODAS salas de aula. Pode isso Arnaldo?!

Dilador promete colocar ar condicionado em TODAS salas de aulas!

O ex-vereador Platibanda (2008-2012), passou todo o mandato recordando o plano de governo do prefeito Cido Sério (PT) e debochava, desdenhava em plenário dizendo que era “um plano de faz-de-conta...de mentirinha”. Ao passar os olhos no plano de governo do candidato tucano Dilador Borges, muito bem elaborado esteticamente, mas não consegue esconder alguns exageros, propostas eleitoreiras, difíceis de serem concretizadas, inalcançáveis. Todo mundo sabe que esses tais planos de governo não passam de meras peças de ficção, sonhos muitos dos quais impossíveis, nascidos da genialidade, da cabeça de “técnicos”, “especialistas”, “doutores” nisso ou naquilo que, desprovidos da realidade fática, vão para o papel muitas vezes apenas por força de obrigação legal. Servem para iludir, induzir o eleitor de que tais desejos utópicos fogem à realidade do di-a-dia daquele que eventualmente ocupará a cadeira de prefeito. No mais, vão para o fundo de alguma gaveta pois passada a festa, a posse, a falta de recursos será a companheira permanente e os tais sonhos mirabolantes vão esperar, quem sabe uma reeleição, pois com certeza, no dia que toma posse o prefeito já pensa em reeleger-se. Em geral encontra o cofre vazio, recebe um orçamento de seu antecessor e montanhas de dívidas e compromissos a serem resgatados já no primeiro mês de governo.

Entre algumas dessas idéias cuja realidade está tão distante quanto a Lua, Dilador Borges em sua bela propaganda na TV anuncia que irá instalar aparelhos de ar condicionado EM TODAS  as salas de aula da rede municipal. Com certeza, o “especialista” que bolou essa excelente proposta talvez não tenha conhecimento de quantas salas de aula existem, talvez nem tenha ido à prefeitura obter essa informação. Pensou, idealizou, e na base do puro “chutômetro” lascou para a TV. É obvio que as crianças merecem esse conforto, mas entre o sonho, o desejo tucano e a realidade, vai uma enorme distancia. Existem cerca de 800 (Oitocentas) salas de aula no município. À primeira vista, pressupõe-se que os aparelhos a serem instalados devem ser daqueles comerciais acima de 48.000 BTUs. Imagine crianças entrando e saindo, abrindo e fechando portas. Muitos do prédios das escolas municipais são antigos, necessitariam de trocar completamente a fiação elétrica para suportar a  demanda elétrica necessária.
Hoje, no mercado, esses aparelhos custam entre R$ 5.000,00 a 6.500,00 a unidade, o que leva para um valor de mais de R$ 4 Milhões! E a parte de serviços de instalação? Pior – o “especialista” autor dessa idéia sensacional se ateve ao impacto financeiro que se dará nas contas de energia pagas pelo poder público municipal? Imaginem!!! O futuro prefeito de Araçatuba herdará uma administração com os cofres vazios. O atual prefeito sequer conseguiu dar um reajuste nem de R$1,00 para os servidores municipais! Faltam medicamentos nas UBS’s e na Farmácia Popular. Com a crise houve uma queda brutal na arrecadação de impostos. Servidores, plantonistas fizeram greves, tentaram de tudo para arrancar algum reajuste e faltou dinheiro até para a merenda escolar. Então, como Dilador pretende cumprir essa promessa de campanha? Onde vai buscar recursos? Se isso fosse fácil, certamente o atual prefeito o faria! Estão aí postos de saúde construídos e nem foram inaugurados. Não há funcionários e nem tem como contratar e também não tem médicos suficientes. Faltam várias especialidades nas UBS’s.

Parece que os assessores do candidato tucano também pecam por serem desinformados. No ultimo dia 26 de agosto, o Dr. Adeilson Ferreira Negri, juiz de Direito em Araçatuba, julgou improcedente uma Ação promovida pelo Ministério Público que queria obrigar o governo do Estado de S. Paulo a instalar os aparelhos de ar condicionado nas salas de aula das escolas estaduais. O magistrado entendeu como  não sendo algo prioritário. Para o Dr. Negri, existem outras coisas mais importantes que isso e citou “ausência de livro escolar, carteiras, professores, merenda, etc”. Para ele, isso sim deve ser prioritário, antes de ar condicionado. Mas, chamamos a atenção para o violento aumento das contas de energia elétrica decorrentes do uso desses serviços. Quem pagará essa conta? Para um partido que teve suas contas rejeitadas pela Justiça Eleitoral cujo parecer técnico “apontaram falhas que realmente comprometem a regularidade das contas”, soa estranho propor no plano de governo, algo quase que impossível de se cumprir, inexeqüível, os tucanos precisam ter cuidado com números, projeções sob pena de frustrarem milhares de crianças, de famílias que vão aguardar ansiosas por este benefício, mas que amanhã, o eventual prefeito Dilador, se ganhar a eleição, terá uma enorme dor-de-cabeça caso não consiga atender o prometido. E se o Platibanda se eleger?!